Livefyre Profile

Activity Stream

@sefy76 Good answers, sefy. I'm from Brazil and hardfan of Superman, the movie (the ONLY valid) of Donner. Great bro. I hate this garbage for teens of MOS.

1 year, 3 months ago on Why Man of Steel is receiving bad reviews and the public loves this Superman

Reply

@BrunoArruda"Pelo contrário, eles nos tornam menos capazes de escolher amar a Deus. Seria tolo o fato de rejeitar a Deus, cuja existência fosse totalmente inegável.

Ali, o artigo passa da temática do amor para a temática da fé."

Eu nunca conheci sua mãe, mas suponho que ela não é um ser infinitamente poderoso, que tem a capacidade de esmagar todos os oponentes. Estou certo de que as pessoas não se sentem compelidas a amar sua mãe por causa de seu grande poder.

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

Você e outros sempre usam as palavras "bom senso". E com razão! Oxalá houvesse mais disso em discussões por filósofos e cientistas sobre o tema da consciência humana.

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

NENHUM epifenomenalista de bom grado iria quer ir tão longe até o fundo de suas alegações, podemos assegurar-lhe. Mente sem matéria? Eccles e Robinson estão absolutamente corretos, é claro: "argumentar que estados cerebrais ... produzem estados mentais é admitir que ela poderia ser de outra forma."

Por favor, Bruno :)

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

"motoras e o córtex, emergindo daí as habilidades mentais das quais derivam o senso de beleza, as artes e etc. (tudo ao Acaso, no melhor estilo ateu)." Nunca vi tamanho nonsense.

Em "A maravilha de ser humano: nosso cérebro e nossa mente", Eccles e Robinson se referem ao conceito de epifenomenismo como "sem sentido".

A teoria causal epifenomenalista não deve ser confundida com as leis causais comuns das ciências físicas. Estas últimas são confinados à maneira pela qual a força e a matéria são distribuídas no tempo e no espaço. Mas com o epifenomenismo somos confrontados com um radicalmente diferente entidade - a mental, uma entidade tida como não-material e imaterial. Se existe, então, por definição, não pode ser composta ou reduzida a elementos materiais ou suas combinações. Dizer que "surge" a partir delas é, infelizmente, um jargão vazio  (1984, p. 55)


1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

"Análogo, surgiram cérebros com cadas vez mais camadas intermediárias entre regiões sensoriais"
Referir-se à consciência humana como um "subproduto trivial " ou apenas um "efeito colateral" parece ser o cúmulo da loucura (se não da presunção). Tentar pensar do auto-conhecimento como um "sintoma" de uma "doença" (ou seja, o cérebro) não é uma saída muito melhor para o Bruno.

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

@BrunoArruda " Por isso,  há teorias que reduzem habilidades cognitivas superiores como epifenômenos evolutivos,"

O epifenomenalismo é a visão de que "os estados mentais existem em relação a alguns acontecimentos materiais, mas causalmente são completamente irrelevantes". O Novo dicionário Merriam-Webster define um epifenômeno como "um fenômeno secundário que acompanha o outro e por ele causado." Por exemplo, os patologistas frequentemente usam esta palavra para se referir aos sintomas secundários da doença. Assim, quando céticos afirmam que epifenomenismo sugere que os estados mentais existem, mas "causalmente são completamente irrelevantes", seu ponto é que, como em uma doença, o sintoma não causa nada, mas é em si causado por outra coisa. Isso, em essência, é como epifenomenismo funciona!

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

@RafaelAvelino Exatamente. Percebe que os céticos aqui evitam essa questão? Bem cômodo, né?

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

"Stiven Pinker aborda isso no livro "Como a Mente Funciona".

Richard Morris lamentou: "o conhecimento científico do cérebro é lamentavelmente incompleto. Os cientistas não sabem como o cérebro adquire e armazena informações, como ele produz sentimentos de prazer e dor, ou como ele cria consciênciaO funcionamento do cérebro humano é um mistério profundo (Morris, Richard, 2001, Os evolucionistas: a luta pela alma de Darwin (New York: W. H. Freeman). 2001, p. 200, grifo nosso.


Os evolucionistas naturalistas não sabem como o cérebro evoluiu. Além disso, não possuem muita compreensão sobre como o cérebro adquire e armazena informações, apesar de décadas de intensa pesquisa. Mayr admitiu: "As sinapses, por exemplo, parece desempenhar um papel importante na retenção da memória, mas como o fazem é quase inteiramente desconhecido" (2001, p 252.). Da mesma forma, os evolucionistas não sabem como o cérebro cria a consciência (um assunto que iremos analisar de forma aprofundada em publicações futuras). No entanto, o principal candidato para servir como uma explicação para o potencial evolutivo da mente (e, em seguida, finalmente, a consciência) é, talvez um pouco visível, o cérebro. Alguns (como o psicólogo Steven Pinker e seus colegas) acreditam que o cérebro evoluiu suas regiões específicas com um propósito (se você o perdão do trocadilho) "em mente."

Parece completamente incoerente sua visão naturalista, né, Bruno?


1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

@BrunoArruda"Seria tolo o fato de rejeitar a Deus, cuja existência fosse totalmente inegável." Por isso Jesus veio e Se encarnou. As evidências estão aí, de Sua vida e ressurreição. Se céticos e ateus não querem aceitar isso vão pôr a culpa num artigo? :)

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

@ArturScarpatiLiuth Obrigado, amigo. O Logos prima por isso mesmo: alta informação e cultura.

1 year, 5 months ago on Por que Deus simplesmente não se revela à humanidade?

Reply

@MaduSouza "Quer dizer que Deus, em toda sua grandiosidade e amor infinito, em vez de descer do seu confortável trono celestial e, além de mostrar que ele realmente existe," 

Resposta aqui http://logosapologetica.com/por-que-deus-simplesmente-nao-se-revela-a-humanidade/#axzz2TN6pRPyI

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@MaduSouzaNão estou tentando ofender. Estou simplesmente classificando e fazendo uma distinção justa entre ateus e ateístas militantes. Dado o tradicional comportamento simplista antirreligioso de vocês, mormente no CDB, posso ter a liberdade de fazer essa classificação.

". Estamos aqui pra discutir idéias e não atacar pessoas, beleza?" Ok. Vamos lá?

"em vez de descer do seu confortável trono celestial e, além de mostrar que ele realmente existe," Típica jogada mirim de sofisma.  Deus já tem se mostrado de inúmeras formas dado os fatos e relatos. Mas vocês insistem em não perceber as evidências, dado que estão presos a seu simplismo.

Deus faz mostrar-se, mas ele faz isso de maneiras diferentes com pessoas diferentes. Primeiro de tudo, Deus mostrou-se na pessoa de Jesus Cristo há muito tempo. E mesmo assim, quando Jesus, que era Deus em carne (João 1,1, 14; Colossenses 2,09), caminhou entre as pessoas, muitos negaram quem ele era. Assim, mesmo que Deus mostrou-se na pessoa de Jesus, as pessoas não reconhecem que ele era.

Em segundo lugar, e isso é um pouco subjetivo. Ele se mostra aos cristãos de forma que os cristãos entendem. Tome-se, por exemplo, como um determinado cristão pode ter um problema com um pecado particular e ele foi orar sobre isso, pedindo a Deus para dar-lhe forças para resistir. Então, inexplicavelmente, ele pode encontrar várias pessoas em um curto período de tempo que falar com ele sobre essa questão exata. Eles podem não saber que ele tem esse problema, mas ele o enfrenta de maneira muito específica. Isto vem de Deus? Por que não seria? Por que Deus não usar essas coisas como uma forma de mostrar a sua obra no mundo?

Outra maneira que Deus se revela a nós é através da convicção do nosso coração. Às vezes podemos fazer algo que é errado, e que o Senhor vai claramente nos condenar. Experimentamos um sentimento de angústia e culpa sobre o nosso pecado certo e profundo. Nós, então, experimentamos a necessidade de confessar os nossos pecados a Deus e / ou o aquele contra quem pecamos. Então, só depois da confissão e do arrependimento vem a sensação de convicção aliviada. Esta é a obra de Deus dentro de uma pessoa, e isso é bastante real.

Por que Deus simplesmente não se mostra? Para compreender a resposta a esta pergunta, primeiro temos que analisar por que viemos à Terra.

Para receber a experiência completa que Deus planejou para nós, precisávamos de corpos físicos, famílias, e uma chance de desenvolver a fé. A fé é a resposta à pergunta “Por que Deus simplesmente não se mostrar?” Enquanto vivíamos na presença de Deus, nós não precisávamos de fé para acreditar Nele. No entanto, a fé é uma parte importante nas experiências da vida. Quando aprendemos a ter fé em coisas que não podemos ver, drasticamente melhoramos a nossa experiência de vida. Aprender a ter fé pode nos ajudar a aprender a amar e se comprometer com uma família, mesmo em tempos difíceis. Afinal, não podemos ver ou medir cientificamente o amor e não podemos ver o futuro para saber como a vida familiar vai funcionar. Portanto, muito disso é baseado na fé. Com fé, podemos ter a coragem de assumir riscos que melhoram a nossa vida, tentar uma habilidade que não temos certeza se somos bons, nos dando experiências edificantes fora da nossa zona de conforto, ou fazendo escolhas mais sábias.








1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@IsaacRene Na hora em que resolver me provar que "não compreendi o suficiente de fisica" me avise porque estou ali tomando um café :)

1 year, 5 months ago on Lawrence Krauss e sua “poeira estelar”

Reply

@IsaacRenePor favor, cara, não me faça morrer de rir. Entendo de física mais do que você entende de Krauss. Mostrar-me a receita de como uma refeição gourmet realmente complexa está preparada não me faz questionar a existência do chef. 

1 year, 5 months ago on Lawrence Krauss e sua “poeira estelar”

Reply

"ter tomado partido de uma visão, (o que lhe deixou míope sobre a questão)" Você não provou ou demonstrou nada do que alegou. Como disse, achar ruim não é argumento. PROVE o que disse. Prove que "não compreendemos o suficiente sobre física". Ahahahahahahaa. 

1 year, 5 months ago on Lawrence Krauss e sua “poeira estelar”

Reply

@IsaacRene Pena que você não deu NENHUMA demonstração de sua alegação. Achar ruim não é argumento, simplório.

1 year, 5 months ago on Lawrence Krauss e sua “poeira estelar”

Reply

Estas afirmações particulares sobre essa tal "bíblia" já foram desmascaradas como fantasiosa - não é "uma cópia do Evangelho de Barnabé". É uma Bíblia, incluindo os apócrifos da Epístola de Barnabé.

Não há NENHUMA previsão sobre Muhammed contidas em suas páginas.

A maioria dos relatórios que contém os chamados livros "extras" são simplesmente devido ao fato de que ele contém os livros do Antigo Testamento que os protestantes afirmam como sendo "apócrifos" (Judite, Tobias, Macabeus etc), de modo que mesmo *esta* fantástica  reivindicação é muito exagerada. Nenhum protestante típico seria susceptível ficar feliz com esta Bíblia antiga contendo esses livros particulares.

1 year, 5 months ago on A “Bíblia de 1500 anos” e a propaganda muçulmana

Reply

O Evangelho de Barnabé não está incluído no Novo Testamento, ao lado de Mateus, Marcos, Lucas e João, e na verdade Barnabé se opõe ao Novo Testamento e sim tem claras semelhanças com a interpretação muçulmana de Jesus. Barnabé ainda contém uma história em que Jesus prediz a vinda do profeta Maomé. Os muçulmanos acreditam que este evangelho original foi suprimido.

A professora de teologia Ömer Faruk Harman disse ao Zaman "os muçulmanos podem se decepcionar ao ver que esta cópia não inclui as coisas que eles gostariam de ver e que não tem nenhuma relação com o conteúdo do Evangelho de Barnabé".

Enquanto isso, ateístas e muçulmanos continuam publicando essa notícia da tal "Bíblia" como se fosse verdadeira :) E depois os crédulos são os teístas.

1 year, 5 months ago on A “Bíblia de 1500 anos” e a propaganda muçulmana

Reply

@orion42 @pegaso @JonasOliveira @Emerson de Oliveira @daniel domingues Obrigado, amigos. Nosso objetivo é informar. A esquerdalha odeia ser desmascarada. Pau neles.

1 year, 5 months ago on 10 citações de Che Guevara que a esquerda prefere não falar

Reply

@JuniorBassArchibaldIII Ahahahahaa. Um desesperado esquerdalha querendo salvar a "honra" do assassino Che Guevara anticristão.

Vá ver se estou na esquina.

1 year, 5 months ago on 10 citações de Che Guevara que a esquerda prefere não falar

Reply

@MaduSouzaOra, pequena serelepe desinformada, isso já foi ad nauseam refutado e vocês, neo-ateus de parquinho, continuam usando isso. Vamos lá?

Por que Deus permite que dois ursos matem 42 rapazes simplesmente por dizer que Eliseu era careca? Vamos dar uma olhada. Eliseu estava viajando de Jericó a Betel, quando um grupo de jovens verbalmente aproximou-se dele. 42 é um grande número de pessoas, e elas provavelmente eram um grupo organizado que tinha saído para desafiar Eliseu. Sua zombaria implícita tinha uma intenção maliciosa, especialmente quando a cultura da época insistia em mostrar respeito aos mais velhos. Além disso, a declaração de "sobe, careca!" Tem um significado cultural. Primeiro de tudo, "subir" é provavelmente uma referência ao antecessor de Eliseu, Elias, subindo para o céu (2 Reis 2,11). Em outras palavras, eles estão afirmando que eles querem Eliseu suba, e já que Elias tinha ido para o "outro mundo", a implicação é que eles queriam Eliseu morto. Além disso, o epíteto de 'careca' era um grande desprezo no oriente, aplicado a uma pessoa que, mesmo com a cabeça espessa de cabelo. Os leprosos tiveram que raspar a cabeça, de modo que tal afirmação poderia facilmente ter sido um insulto deliberado e malicioso, algo perigoso numa multidão que poderia rapidamente sair do controle.

Dado o desafio dos jovens, o seu número intimidador que pode constituir uma multidão, a sua ameaça velada, a atitude de desprezo, e o fato de que Eliseu foi o profeta de Deus, o Senhor permitiu que os jovens fossem destruídos. Mas, segundo o hebraico original, a palavra para "criancinhas" (uma má tradução) está errada. No original, significa grupos de adolescentes até 28 anos. Já expliquei isso no Logos mas os marretas e indolentes neo-ateus continuam usando a mesma mentira, dado que são desonestos intelectuais.

O motivo principal dessa zombaria era porque um homem careca estava usando o manto oficial de Elias. Os rapazes reconheceram Eliseu como o representante de Deus e simplesmente não o queriam por perto. Disseram para ele “subir”, isto é, ele deveria continuar no seu caminho para Betel ou então ser levado assim como Elias. Os rapazes evidentemente refletiram a atitude hostil de seus pais. Quão importante é que os pais ensinem seus filhos a respeitar os representantes de Deus!




1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@AlonsoTherion"e ela tem de tornar-se tua esposa...". Por que ela TEM que? Por acaso ela escolheu o algoz de seu povo como marido?

Errado. O propósito de Deuteronômio 22,22-29 é revelar leis civis relacionadas a algumas formas de relações sexuais ilícitas. O texto fala das mulheres em três situações diferentes. Primeiro (I), fala da “mulher que tenha marido” (v. 22), segundo (II), da “moça virgem, desposada” (v. 23-27), terceiro (III), da “moça virgem, que não for desposada” (v. 28-29)

Esta lei não comanda uma mulher se casar com seu estuprador, mas sim comanda que os homens que fazem sexo com mulheres sigam os seus avanços sexuais com compromisso matrimonial, e ensina que não fazê-lo é proibido por Deus.

Vou postar outros artigos sobre isso respondendo a isso e a outras críticas semelhantes dos céticos e neo-ateus.

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@MaduSouza Já estou refutando aqui seus dois amiguinhos patotinhas neo-ateus. Vai pra você também, já, já :)

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

Os versos 26-26 falam do estrupo de uma moça desposada (noiva). Isso leva alguns a crer que os versos 28-29 também esteja. Quando analisamos estes versos dentro do contexto maior, o sentido fica claro.

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@ElsonJrO fato é que esta passagem não está falando de estupro. Está falando de fornicação. O texto não abre precedente para um estuprador pedir ao pai da vítima para se casar com a vítima, mas abre precedente para um pai ter o direito legal de exigir o casamento de sua filha com quem ela (voluntariamente) cometeu fornicação. O motivo pelo qual alguns pensam que esta passagem esteja falando de estupro é que os versos anteriores falam de estupro:

“E se algum homem no campo achar uma moça desposada, e o homem a forçar, e se deitar com ela, então morrerá só o homem que se deitou com ela; porém à moça não farás nada. A moça não tem culpa de morte; porque, como o homem que se levanta contra o seu próximo, e lhe tira a vida, assim é este caso”. (Deuteronômio 22,25-26)

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

Vamos analisar um outro caso, antes desse de Dt. 21. Por exemplo, o "assassinato, estupro e pilhagem de Jabes-Gileade" (Jz 21, 10-24). Em primeiro lugar eu gostaria de fazer uma pergunta simples: onde ocorreu o estupro aí? Já vi céticos nunca dizerem abertamente no verso, e, portanto, requer algumas muito grandes hipóteses desses grupelhos como o CDB a fim de fazer este trabalho para eles, o que eles fazem sem pensar. Grupos como o CDB usam este silogismo:

"Os pais das virgens foram mortos. Os homens que mataram levaram as virgens. Eles se casaram com elas, por isso deve ter sido o equivalente a estupro (note que grupos como esse CDB também pensam o casamento foi forçado)."

Silogismos não contêm lógica perfeita. Por exemplo, "o peixe pode nadar. Posso nadar. Devo ser um peixe." Portanto, não há qualquer razão para acreditar que o texto se referia a estupro, muito menos repetidamente. Havia até mesmo regulamentos para lidar com o referido regulamento. Havia uma oferta de paz (Deut. 20,10-14). Este mesmo versículo passa a mostrar como os prisioneiros de guerra deveriam ser tratados, como se segue:

  1. Proporcionar-lhes habitação (cuidando deles)
  2. Permitindo-lhes um mês para chorar.
  3. Em seguida, permitir o casamento
  4. Se haver o divórcio, seria sem maus-tratos.

Onde está o estupro? Onde?

1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@AlonsoTherionOra, ora, ora. O pessoal do CDB deu as caras, finalmente. Vamos lá, moçada? Ok. Antes de respondê-los, gostaria de fazer uma introdução às táticas neo-ateístas.
Normalmente, os ateístas, neo-ateus e céticos começam um artigo (normalmente em grupelhos como o "Contradições da Biblia", no Facebook, com a afirmação de que a Bíblia tolera estuprar mulheres. Esses ateístas se atrevem a pensar por seus leitores, entrando em pareceres sobre o quão ruim de um crime de estupro realmente é. Eles dizem: "Como alguém pode obter a sua orientação moral de um livro que permite estupro?" Agora, depois de massacrar o português, novamente atacam a Bíblia com suas próprias opiniões, de que a Bíblia tolera a violação, sem olhar para o próprio texto. Mais uma vez, não conseguem perceber que a Bíblia frequentemente conta histórias de atos indevidos dos israelitas, mas que nem por isso mostra que a Bíblia  faz apologia do que eles estão fazendo.


1 year, 5 months ago on “Deus não condena o estupro”

Reply

@Rodrigo Silveira Prezado amigo, adicione-me no Facebook: www.fb.com/emeoliv. Aguardo-o no grupo do Logos.

1 year, 5 months ago on O que eu aprendi com Dallas Willard (1935-2013)

Reply

@Rodrigo Silveira Obrigado. Admiro muito Dallas. Eu o admiro, assim como miríades de outros eminentes intelectuais cristãos. O Logos é um dos portais que mais divulga os nomes e obras desses grandes pensadores e intelectuais cristãos (ou que vão ao encontro da fé cristã, mesmo não sendo exatamente cristãos) de nossos tempos.

1 year, 5 months ago on O que eu aprendi com Dallas Willard (1935-2013)

Reply

@luz_vania Exato, Luz. Ele é um asno, com todo o respeito aos asnos. É um dos moleques mais expoentes do ateísmo (desinformado) militante.

1 year, 5 months ago on Eu, Ateu e sua disenteria pseudo-intelectual

Reply

@PaulNedRicardo Seguidores do Beto <> de serem seguidores de Jesus Cristo.

1 year, 6 months ago on Podcast – Comentários sobre o herege Beto, de Bauru

Reply

@PaulNedRicardo Obrigado, amigão. Fazer podcasts é mais rápido do que fazer vídeos. Muitas vezes vídeos têm que ser editados (como meus vídeos são bem pesquisados e profundos e não superficiais como desses críticos da fé cristã, tenho que adicionar música, GC, etc.) Mas audiotubes e podcasts são mais rápidos e vou investir mais neles.

1 year, 6 months ago on Podcast – Comentários sobre o herege Beto, de Bauru

Reply

@Carlos Andre Perin  O terrível, para a mídia esquerdista, é que esse é um "padre", enquanto ela nem divulga e comenta sobre eminentes sacerdotes como o pe. Paulo Ricardo ou o pe. José Augusto. O que interessa para esse bando de urubus carniceiros da baixa mídia de esgoto são as polêmicas e escândalos (ainda mais quando tacam pedra na Igreja e no cristianismo) e não a verdade e os fatos.

1 year, 6 months ago on Mais das “terríveis aventuras do falso padre herege” de Bauru

Reply

@Carlos Andre Perin Exato. E mais do que merece ser desmascarado e denunciado. Se não se falasse muita coisa, quantas pessoas mais esse rebelde poderia ter enganado?

1 year, 6 months ago on Mais das “terríveis aventuras do falso padre herege” de Bauru

Reply

@RobsonPenassi Eu não tenho paciência para esperar livros em português e já vou comprando tudo em inglês mesmo. Neste caso, utilizo do Bookdepository, muito recomendado, pois tem frete grátis: http://www.bookdepository.co.uk/Those-Terrible-Middle-Ages-Rgine-Pernoud/9780898707816

1 year, 6 months ago on Pe. Marcelo Rossi, ou “como ser popularmente apedeuta em história”

Reply

@padrewilson Obrigado, pe. Wilson. Nosso objetivo é esclarecer e dirimir dúvidas e questionamentos. Por favor, ore por mim, minha saúde e meu apostolado.

1 year, 6 months ago on Pe. Marcelo Rossi, ou “como ser popularmente apedeuta em história”

Reply

@RobsonPenassiTem o livro dela "O mito da Idade Média", tradução do francês por Maria do Carmo Santos. Editado em português por “Publicações Europa-América”, Lisboa 1978, 115-180 mm, 158 pp.

1 year, 6 months ago on Pe. Marcelo Rossi, ou “como ser popularmente apedeuta em história”

Reply

É óbvio que o pe. Marcelo, mesmo com suas declarações disparatadas, não é a favor, pelo que cremos, do "casamento" (sic) gay. Todo padre católico (assim como todo cristão) tem o direito de expressão e liberdade de consciência e, assim, se opor a essa ideia demente da esquerdalha de redefinir e destruir o casamento monogâmico.

1 year, 6 months ago on Pe. Marcelo Rossi, ou “como ser popularmente apedeuta em história”

Reply

@lutiocruzeiro O artigo aqui não tem por objetivo comentar o que ele alega ou pensa sobre o Feliciano e sim sobre suas alegações sobre a Idade Média.

O LOGOS está com o Malafaia e o Feliciano no sentido em que lutam pela mesma bandeira que a nossa, que é a anti-esquerdalha e antigayzista. Não os apoiamos em outras declarações pessoais, "teológicas" e controversas, só nesta atividade.

1 year, 6 months ago on Pe. Marcelo Rossi, ou “como ser popularmente apedeuta em história”

Reply

@FilipeMatheus Obrigado, amigo. Nosso prazer e objetivo é informar e bem.

1 year, 6 months ago on POR QUE O “CASAMENTO GAY” É UMA FALÁCIA

Reply

Gênesis, capítulo 1, utiliza as expressões “noitinha [“tarde”, Almeida]” e “manhã” em relação aos períodos criativos. Não indica isto que duraram 24 horas? Não necessariamente. Em alguns lugares, as pessoas amiúde se referem ao período de vida dum homem como o “dia” dele. Falam do “dia de meu pai”, ou “no dia de Camões”. Podem dividir esse “dia”, ou período de vida, dizendo “no alvorecer [ou manhã] de sua vida” ou “no crepúsculo [entardecer] de sua vida”. Assim, os termos ‘noitinha e manhã’, em Gênesis, capítulo 1, não limitam seu significado a 24 horas literais.

1 year, 7 months ago on O livro de Gênesis e a ciência

Reply

@Marcelo LimaObrigado, Marcelo Lima. Sempre gostamos de receber comentários, sugestões e dúvidas de nossos leitores e temos o máximo prazer de elucidar questões. Bem, sobre a pergunta do Marcos, como lhe respondi, visto que a duração de cada dia criativo era maior do que 24 horas (conforme será considerado mais adiante), esta expressão não se aplica a noite e dia literais, mas é figurativa. Durante o período noturno, as coisas estariam indistintas; mas na manhã tornar-se-iam claramente discerníveis. Durante a “noitinha”, ou começo, de cada período ou “dia” criativo, o propósito de Deus para com aquele dia, embora plenamente conhecido a ele, estaria indistinto para quaisquer observadores angélicos. Todavia, com a chegada da “manhã”, haveria plena luz para ver o que Deus se havia proposto para aquele dia, tendo-o já realizado nesta ocasião. — Veja Pr 4,18.

1 year, 7 months ago on O livro de Gênesis e a ciência

Reply

@AdalbertoMaggioJunior Obrigado, Adalberto. Quanto mais divulgarem e compartilharem do Logos, melhor.

1 year, 7 months ago on A extraordinária vida de Chiara Petrillo

Reply

 @AlexandreViniciusBrito  @curioso Se ganhássemos R$ 0,10 por cada vez que damos alguma informação correta a esses neo-apedeutas, ficaríamos trilionários. O problema desses sujeitos é que sempre vem com velhas alegações já há muito batidas e refutadas (como essa velha do "quem criou Deus") e acham que estão abafando. Aff.

1 year, 7 months ago on Ateísmo: provas insuficientes para a crença em Deus?

Reply

 @AlexandreViniciusBrito  @curioso Esse Odin é só um indolente troll neo-ateu. Não quer aprender nada e só trollar. Por isso não tenho paciência pra esses pivetes.

1 year, 7 months ago on Ateísmo: provas insuficientes para a crença em Deus?

Reply

Não, imbecil. Nunca afirmamos isso. Veja nas outras áreas do site onde respondemos a indolentes desinformados como você. Confunde infalibilidade com inerrância.

1 year, 7 months ago on Ateísmo: provas insuficientes para a crença em Deus?

Reply